20 de novembro de 2010

Mais sobre a matéria: Mãe vaca

Quando me deparei com a comparação achei no mínimo ridícula.
Depois fui ler a matéria (se ainda não leu clique AQUI) para tirar minhas conclusões, e sinceramente? não vi nada demais na tal matéria. A jornalista apenas colheu um apunhado de informações e depoimentos e colocou numa matéria, até ai não vejo nada demais. Pode ter se tornado polêmica pela foto, talvez, mas o texto, não vi nada que justificasse tamanho estardalhaço por uma matéria.

Li sim muitos comentários de mal gosto, de mulheres que se acham as melhores só pelo fato de terem amamentado seus filhos até os 6 meses, e falam da amamentação como obrigação: TEM QUE AMAMENTAR E PRONTO. Perála, não é bem assim que a banda toca...
Não vou em defesa daquelas que não quiseram amamentar por puro preconceito,ou estética, ou sei lá o que, mas sim preciso respeitar a opinião delas.
Que sociedade é essa que vivemos, onde não aceitamos a opinião das outras pessoas que pensam diferente de nós? Só porque eu casei na igreja de véu e grinalda, posso ir contra uma pessoa que decidiu ir morar junto ao invés de casar? não, eu respeito a opinião alheia, cada um faz suas escolhas.
Então seria muita hipocrisia minha chegar e dizer: abomino a mãe que deixa de amamentar o filho pensando que o peito vai diminuir ou vai cair, só porque eu penso diferente dela. Eu não, o problema é dela, ela faz as escolhas que ela quer, ninguém é obrigado a pensar igual. Não concordo, não entendo, mas respeito a opinião.E quem esta perdendo é ela, pois amamentar é um ato puro de amor onde mãe e bebê só ganham!

Lembro de quando estava grávida de 8 meses, procurando lenços umedecidos para comprar em uma farmácia me deparar com uma jovem, deveria ter no máximo uns 18 anos grávida, comprando uma lata de NAN com a mãe do lado. Na hora eu estava com minha mãe e fiz um comentário que hoje vejo como de muito mal gosto: -Olha lá mãe, coitado desse bebê, provavelmente ela esta comprando leite porque não quer amamentar para não ficar com os peitos caídos.
E me lembrei desse comentário ainda na maternidade, quando implorei para que a enfermeira me desse um copinho de leite para oferecer ao meu filho que estava a horas chorando no meu peito porque não conseguia sugar.
É muito fácil criticar quando não vivemos a real situação.

Sim eu apóio a amamentação,quer seja ela exclusiva, complementada, etc, eu concordo que o melhor leite é o leite materno, quis muito amamentar até os 6 meses exclusivo e depois continuar a amamentar, relutei muito em dar complemento pro meu filho, chorei, me senti a pior das mulheres, fiquei deprimida, ouvi muita besteira, fui humilhada em público por dar mamadeira ao meu filho, e não concordo com toda essa pressão que se faz sobre amamentação.

A maioria que vem aqui sabe minha história, para mim a amamentação não teve nada de fisiologico e natural, apenas colocar o bebe no peito e voilá. As coisas foram muito mais complicadas, Bryan não pegou corretamente, meu mamilo rachou, sangrou, saiu pus, ficou um bom tempo inflamado porque insisti e muito, e não me arrependo, faria tudo novamente, porém quando acertei a pega e o mamilo cicatrizou era tarde demais, Bryan tinha 3 meses e não queria mais saber do peito, ele preferia a mamadeira com seu fluxo contínuo e sem muito esforço para mamar, eu já quase sem leite, pois mal me alimentava e estava muito deprimida por não ter conseguido amamentar esclusivamente, fui tentar a relactação, consegui amamentar vários dias sem complementar, porém Bryan decidiu desmamar. Eu escutava vários conselhos, e cheguei a deixar ele sem mamar por 5 horas,só para forçá-lo a pegar meu peito, mas ele não queria mais, então parei de me auto-torturar e respeitei o tempo dele.

Ouvi que meu filho ia ficar doente, que ele iria ficar obeso tomando só leite de lata, que ele não teria imunidade, que ele não seria esperto igual as outras crianças que mamam no peito,que ele teria atraso no desenvolvimento, que ele era coitadinho, que era um crime dar mamadeira, que eu era preguiçosa, que inventava desculpas, que ele não teria afeto por mim...
Meu filho nunca ficou doente, é super saúdavel, não é obeso, a imunidade dele é ótima (meu marido e eu já ficamos resfriados diversas vezes e ele não), ele se desenvolve normalmente, faz coisas avançadas para a idade, é muito carinhoso comigo.

Minha mãe amamentou todas as 3 filhas até os 6 meses exclusivamente, ela não teve problema nenhum, o mamilo dela não rachou, a pega sempre foi correta, ela tinha disponibilidade de tempo, e eu ainda mamei mais tempo que minhas irmãs: mamei até os 7 anos. Sim,você não leu errado, quando minha mãe ficou grávida da minha irmã mais nova eu continuava mamando e só dormia se ela me desse peito. Ela mesmo fala que foi complicado me desmamar,porque eu não entendia o porque de não poder mais dormir com a minha tetê (que era como eu chamava) . Foi complicado mas aos 7 anos e meio desmamei.
Quando cheguei do hospital me sentindo a mais fraca das mulheres por não ter conseguido amamentar corretamente, minha mãe foi quem mais me apoiou! Eu esperava que ela não entedesse, afinal ela conseguiu e poderia pensar que eu era obrigada a conseguir também, mas não, ela fez o que ninguém mais fez: me ajudou a ver que a amamentação deve ser feita sem pressão.Deve ser feita por amor, não pelo pensamento: tenho que amamentar exclusivo até os 6 meses. Ao invés de ouvir criticas, ouvi conselhos da pessoa que era referência para mim no quesito amamentação.
 Apesar de ter mamado exclusivamente minha imunidade sempre foi baixa, tive muitos problemas respiratórios, tenho bronquite asmática, sofro com sinusite, tive pneumonia, e sempre fui abaixo do peso, minha mãe lutava para que eu comesse corretamente.

No próximo filho farei tudo diferente com certeza, irei ler mais sobre o assunto, procurar mais ajuda, e não ter aquele pensamento de que preciso amamentar ou serei uma mãe frustada!
Farei tudo sem pressão, sem imposições, e se não conseguir não ficarei me torturando achando que sou a pior mãe do mundo.
Amamentar é um ato de amor, e não deve ser encarado como obrigação.
Apesar do assunto ser polêmico decidi expor a MINHA OPINIÃO, porque assim como eu, sei que existem muitas mães que não tiveram sucesso na amamentação, independente do motivo, e que se sentiram inferiores com isso.
Por isso digo: Pocure ajuda, leia bastante sobre o assunto, e persista: seu filho e você só irão ganhar com a amamentação, mas se por acaso não conseguir, não se sinta pior, bola pra frente pois o mais importante é o amor presente não só na amamentação, mas nos cuidados, nos gestos, nos carinhos, em cada troca de roupa, banho, e interação que você possui com seu bebê!

Bjos

12 comentários:

Aline Milanez disse...

Sabe Jacque, eu não consegui amamentar a Anna exclusivamente. Até ela começar a comer comidinha, ela mamou quase exclusivamente, só precisava dar duas mamadeiras no dia pra ela, uma depois do banho e uma antes de dormir. Claro que quando o pediatra falou pra complementar, eu me senti triste. Nunca fui xiita de achar que tinha obrigação de amamentar exclusivamente, mas de achar que tão cedo (ela tinha só 15 dias!) eu não tinha leite suficiente pra ela.. Mas passou, eu mudei meu pensamento e achei melhor assim, ela não mamaria 100% meu leite mas não iria sentir fome.
Lamento muito estes comentários horrorosos que discriminam quem dá leite artificial, e se a mãe não tem leite suficiente comofaz? Deixa o filho morrer de fome? fala sério né?!
EU leio estas matérias, li alguns comentários mas sinceramente, entra por um ouvido e sai pelo outro. Tenho convicção que não deixei de amar minha filha por não amamentar ela exclusivamente até os 6 meses e, tb tenho certeza que a mãe que não pôde amamentar exclusivamente tb não deixou de amar seu filho ou de ser menos mãe. É como diz na matéria, e as mães que amamentam falando ao celular ou no MSN, tá transmitindo o que pro filho?
EU graças a Deus nunca ouvi ninguém me criticar por dar mamadeira à minha filha, mas nem venha tb pq com certeza vai tomar uma lavada no meio da cara afinal de contas, quem fala o que quer, ouve o que não quer né?! hehehe
bjs!

Anna Clara Morais - Mamãe do Antonio disse...

Olá Jacque, eu tb não amamentei meu filho exclusivamente até os 6 meses, com 3 meses comecei a complementar pq meu leite ja não satisfazia a fome dele e com 4 meses e 10 dias ele largou o peito de vez, no inicio me senti culpada, foi uma crise, mas depois desencanei, o importante mesmo é ele estar com saúde e bem alimentado, hoje ele esta com quase 6 meses e nunca ficou doente, não é obeso, pelo contrario ele até estava magrinho, mas pq é o normal dele, hj ele come frutas e sopinha e esta tudo bem, sempre me deparo com comentarios de pessoas da familia e de fora que me criticam por coisas q faço ou que fiz...Eu é que sei o que e melhor pro meu filho! Olha Gostei muito do seu post, viu!!! grande beijo

Karina disse...

Essa matéria deu o que falar né?!

Eu concordo, a matéria não tem nada de mais, acho que cada mãe sabe o que é melhor para seu filho, eu pretendo amamentar a Dudinha, mas se eu precisar dar complemento darei, não vou deixar minha filha passando fome... e isso não vai fazer de mim menos mãe, com certeza!!

Bjoss!!

Bete de Oliveira disse...

oi Jacque...
Então não é o primeiro post que vejo falando sobre esta matéria, é muito complicado aamamentação mesmo tendo lindo mto sobre antes do Enrique nascer a coisa ficou feia meu leite demorou 5 dias pra descer, ainda no hospital o pediatra fico brigando comigo que eu só deveria dar o peito o Enrique chorava no peito não só ele como o bebê da moça que estava ao emu lado ela tava com crise de sinusite e as enfermeiras não queriam ficar com o Enrique e com o bebe dela no berçario porque eles estavam chorando de fome imploramos um copinho de nan pra dar pra eles e elas riam e falavam da esse peito mulher deixa eles sugarem, a gent etava tão desesperada que choramos... Passei o resguardo na casa da minha mão chegando lá o Enrique ainda chorava de fome mas pra uma emergencia eu tinha uma lata de nan a minha vó fico louca ao ver o bisneto dela chorando de fome e me falou "Filha é fome dexa eu faze uma mamadeira pra ele" eu relutei até que de tanto insisti deixei ela fazer o Enrique mamou tudo arrotou e dormiu como um anjo quando o ele desce era poko pra ele (menino guloso) até hoje ele mama o peito e a mamadeira, mas o pediatra dele disse que tem que deixar chorar de fome assim ele só vai pegar o peito e deixar a mamadeira...
bjus bete

Débora disse...

Ótimo post!

Você teve a mesma visão que tive da matéria: Nada demais e bem realista.

Eu até nem tive problemas até os 5 meses, mas é ridículo ter que ouvir críticas por não amamentar mais sendo que nem foi uma opção minha e mesmo que fosse, ninguém tem nada a ver com isso né.

Aí vai o email: deborarcbeyer@gmail.com

Obrigada por me add!

Beijos!

Franciele Galantini disse...

Passando para desejar um ótimo fds..beijocas

Deny disse...

Meu Deeeeus quanta mudançaaa!
Já tou doidinha aqui pensando!
Nossa eu estou com 4 semanas de gravidez e já imagino o trabalhão que um ser tão pequenino dá!!!

Beijos ... e amei seu blog, ainda mais pq aqui me sinto amparada ... por coisas que vc já passou!

=D

Gisleide disse...

Oi querida... passeando pelo blog das minhas amigas te achei por aki.... E li seu texto sobre amamentacao....
Olha... eu tbm sofri muito preconceito quando a giovana largou do meu peito.... Minha historia é mto parecida com a sua... com 10 dias depois que a minha filha nasceu eu nao conseguia mais dar de mama pra ela... meu peito feriu muito, saiu muito sangue, muitas dores e febre... entao eu tirava o leite na bombinha e dava na mamadeira, enquanto isso eu ia passando remedio pro peito sarar... quando ela fez 3 meses o peito estava saradinho e otimo, mas ela nao quis mais o peito... só a mamadeira! eu me senti a pior das mulheres, um lixo, incapaz de amamentar minha pripria filha... fora as criticas das pessoas.... Eu nunca dei Nan ou outra fórmula pra minha filha.... só leite do peito bombeado.... aluguei aki em sao paulo uma bombinha eletrica que estimula como se fosse a boca do bebe... e assim ela mamau até os 6 meses exclusivamente leite do meu peito.... custei muito a me curar do peso na consciencia de nao ter amamentado a minha filha no peito... mas quando eu vi que eu consegui recuperar o meu leite e dar o meu proprio leite pra ela até o sexto mes.... isso fez eu me sentir melhor...
mas vamos nessa que mãe é isso!
vou seguir seu blog e assim vamos trocando experiencias.... bjs

(Mamãe) ~Pinel disse...

Concordo com você... assim como nós fazemos a opção de amamentar (ou as vezes não temos outra opção que não dar mamadeira), outras mulheres optam por não amamentar.

O que me revoltou na reportagem é o fato deles terem quase que incentivado o uso do leite artificial para que as mulheres que não amamentam se sentissem menos mal. Acho que eles deviam apenas ter desromantizado as campanhas de amamentação que chegam a ser cruéis com quem quis e não pôde amamentar, mas já incentivar e apelar dizendo que o leite artificial é melhor para o bebê, eu achei de mais!

Foi mais ou menos isso... falaram muitas asneiras para provar um ponto e acabaram saindo do objetivo.

Beijo!

Alethéa disse...

Jacqueline, acho que o maior problema da matéria é o fato da jornalista ter exposto apenas um lado da questão. Eu, como jornalista que sou, acho que ela deveria ter falado também dos benefícios da amamentação.

Mas que cada um sabe "onde o calo aperta" eu não tenho dúvidas; amamentar não é tão "natural" quanto parece, o buraco é mais embaixo MESMO!

Admiro mães que, como nós, fizemos e fazemos de tudo por nossos filhos, eles mamando no peito ou não.

Acho que a reportagem traz uma bela oportunidade de pensarmos sobre o quanto cada um sabe de si...

Grande abraço!

Cris Fagá disse...

Ah Jacque, mais uma vez é aquela velha historia. As pessoas nos crucificam e acabamos cedendo a culpa. Acho que a internet ajuda, mas tambem atrapalha. Afinal, no tempo das nossas maes e avos nao havia internet dizendo que teriam que amamentar exclusivamente até os 6 meses. Algumas fizeram isso e outras nao - a minha mae foi uma que nao - mas nao se sentiam culpada porque hà muitas outras formas de dar amor. E alimentar seu filho corretamente - seja ela por meio da amamentaçao exclusiva ou nao - é uma forma de amar tambem.

A Luana eu so amamentei até os 2 meses porque ela tinha problemas de adenoide e nao conseguia respirar quando mamava e acabava ficando sufocada. Sò que nessa época eu nao tinha a internet dizendo que TINHA QUE AMAMENTAR! TINHA QUE AMAMENTAR! TINHA QUE AMAMENTAR! Somente a pediatra da minha filha dizendo que eu tinha que complementar a alimentaçao da minha filha porque ela nao estava se alimentando o suficiente no peito. Entao eu nao me senti culpada. Muito pelo contrario. Me senti muito mae por estar cuidando da minha filha da maneira correta para ela.

Quanto ao Renzo, se puder quero amamenta-lo até os 6 meses. Se nao puder, por qualquer outro motivo, nao vou me sentir culpada. Sei que de uma maneira ou de outra estarei fazendo o que é melhor para ele. Porque o que vale é o que é melhor para os nossos filhos e nao o que as outras pessoas pensem ser.

Roberta Portela disse...

Concordo plenamente com você. Maternidade não é igual para todo mundo. Cada caso é um caso. Também tive sério problemas com o peito e Vini acabou no Nan. No começo me senti mal, chorava, mas depois passou. Vini está bem, mama muito bem e sua saúde está ótima. Passou muita fome nas 2 primeiras semana até eu entender que não estava tendo leite para ele. Não me sinto nem um pouco menor do que quem amamentou no peito. Ser mãe não é apenas amamentar. Vai muuuuito além disso.

Beijoca

Contando...

 

Blog Template by BloggerCandy.com