24 de novembro de 2010

November rain




Novembro é um mes que gosto muito, pois ao mesmo tempo que janeiro está pertinho,ainda falta 1 mes para relembrar todos os acontecimentos do ano que passou. E novembro costuma ser o mes que fico pelos cantos relembrando tudo o que aconteceu, e sem acreditar que as coisas acontecem tão rápido e que em 1 segundo a vida pode mudar.

Perdi minha única avó  em agosto do ano passado.Já fez um ano e mesmo assim as vezes parece que ela foi só viajar e já vai voltar. É estranho o sentimento de perda,nunca lidei bem com isso, lembro do primeiro e único enterro que fui, eu devia ter uns 12 anos,foi de um conhecido da igreja, nós nunca haviamos nos falado,ele não era nada meu, e mesmo assim quando começaram a jogar terra naquele caixão senti uma tristeza tão profunda que até hoje não sei explicar. Chorei e chorei muito.Parecia que eu estava sendo enterrada ali, e naquele dia eu decidi que jamais iria a outro enterro!

Quando minha vó morreu eu tinha acabado de descobrir a gravidez, lembro até hoje quando minha mãe telefonou e me falou: sua avó...e não precisou falar mais nada, eu já sabia, as lágrimas começaram a cair e eu não consegui dizer mais nada. Foi muito estranho, toda a felicidade que eu estava sentindo por estar grávida contrastando com a tristeza da perda. Decidi não ir ao enterro, uma semana antes eu fui visitar minha avó no hospital onde ela estava internada pois não conseguia mais andar, e estava com feridas (escara) profundas na pele, já não me reconhecia mais,tinha o semblante triste,de quem não estava entendendo nada. Vê-la assim foi um choque pra mim, ela sempre foi ativa, trabalhou até quase 90 anos, nunca se cansava, sempre ajudou a todos.
Eu não queria ter a lembrança dela assim, fui embora de coração partido, lembro-me de comentar com minha mãe que achava que ela ia embora naquela noite. Mas ela vivei mais uma semana, e depois que adquiriu pneumonia acabou indo dessa vida.

Eu queria me lembrar das tardes com ela, dela fazendo biscoitinho de polvilho que só ela sabia fazer, do pavê delicioso, das bronquinhas, dos abraços esmagadores, dos conselhos.

Só perdi duas pessoas próximas de mim nessa vida, a minha avó Maura e meu amigo Rafael, que se foi em 2007 num acidente de moto,ele tinha 22 anos. Novembro é o mes em que fico pensando que nessa vida não temos garantia de nada, somente de que um dia iremos partir, e que a semente que deixamos neste mundo é o que ficará, quero que as pessoas tenham boas lembranças de mim,assim como tenho das pessoas queridas que perdi.
E também nunca deixo de dizer o quanto amo alguém, pois amanhã posso não ter essa oportunidade,então vou vivendo cada dia como se fosse o último.

A música november rain é a música que mais gosto do guns, e como todas as músicas deles,começa de um jeito que não te diz nada e no final você está totalmente envolvido por toda a melodia e sempre me dá vontade de chorar. Vou deixar um trechinho da música que traduz bem o que estou sentindo...

As vezes eu preciso de um tempo... para mim
As vezes eu preciso de um tempo... totalmente sozinho
Todo mundo precisa de um tempo.. para si
Você não sabe que precisa de um tempo?... Totalmente sozinha?

P.S: Tá rolando um sorteio lá no blog Cantinho do rei Arthur  de duas necessaires da marca Bebêchila, passa lá e confere.

9 comentários:

Camila Tatagiba disse...

Lembrei do Rafael.. apesar de não conhece-lo, acredito que se ele estivesse vivo a Evellyn teria se formado com a gente. Mas Deus sabe o que faz...

Manda o maluco do Bruno ficar em casa e vc trate de ficar tbm! Nao arrisque sair por bobagens.

Bjokas... amul tu

Dina disse...

A perda de avós é tão dolorida né, uma minha está viva, a outra faleceu eu era muito criança.
Ivan perdeu a avó em 2009, e eu vi como foi triste, senti a perda junto com ele.

Novembro foi aniversário dela.

Novembro é o mês que conheci Ivan e me casei, sempre disse que tivemos um doce novembro, amo o filme. Vc já viu?

Beijos

Máh disse...

Eu tenho uma unica vó e não saberei lidar com essas situação...
Fico muitas vezes pensando nisso...
Perdas eu sempre acho que jamais são reparadas!
Bj

Cheilinha disse...

Eu sei como dói viu, perdi meus avós um seguido do outro, primeiro foi meu avô, q nunca imaginei q partiria primeiro q minha avó, pq minha avó tinha 7 derrames, naum se mexia, só mexia um braço, naum falava, naum andava, então pensava q ela iria primeiro q meu avô, ele era cheio de saúde, mas a vida sempre nos supreende, digo q minha avó morreu mesmo de saudades dele, depois q ele morreu, ela já naum comia mais,td a irritava e a gente já imaginou o q viria pela frente.
Mas Deus confortou meu coração.
Bjs.

Franciele Galantini disse...

Eu sei quanto é difícil perder quem amamos, eu perdi minha avó, meu pai e mais recente meu anjinho, temos que ter muita força para superar.

Beijocas linda e dá um beijo no Bryan pra mim tbm.

Thais Bessa disse...

Que post nostálgico... O seu jeito de lidar com a perda, aproveitando cada dia, é um bom jeito. Eu fico mais ou menos tranquila em relação a esse assunto porque encontro consolo na minha fé, pois sou Espírita e acredito que a vida não acaba aqui. Isso dá um alento, mas não tira o sofrimento, né?

Vixe, comecei o dia quase deprê, rs.

Bjos

Jéssica Araújo - Gravidíssima disse...

Entao, eu moro a 15 min do shopping grande rio!
Pois entao, perdi minha vó paterna e meu avô materno, minha vó materna é viva e é um doce. Mas sinto falta da minha vozinha Ines, que tinha mais contato, aliás, se tiver uma outra menina daqui a algum tempo, ela se chamará Ines. Beijo

* SOL * disse...

Oie, nossa perder alguem próximo é muito dolorido muito complicado, adoro Guns, esse clipe é lindo adoro, é miga mais um ano que está se indo, que Deus reserve coisas boas pra nós! Bjus

(Mamãe) ~Pinel disse...

Esse música é mesmo MUITO linda, e eu AMO guns! hehe
Elas dão um sentimento diferente na gente, que eu particularmente gosto muito!

Beijo!
E é assim, nada na vida é para sempre, por isso a gente deve aproveitar cada segundinho de tudo, tudo!

Contando...

 

Blog Template by BloggerCandy.com