31 de maio de 2011

Será que mimo meu filho demais?

Uma das muitas preocupações que eu tinha quando ainda era gestante, era de não criar um filho mimado.Explico: quem nunca sentiu vergonha alheia, com uma criança chorando, esperneando, se jogando no chão e fazendo a mãe passar a maior vergonha no shopping ao passar perto de alguma loja de brinquedo, aos gritos de: eu quero, eu quero! (e provavelmente falou em pensamento: ah se fosse meu filho...)
Como eu trabalhei em comércio, essa era uma das situações muito comuns (especialmente no dia das crianças), e eu sempre falava que quando fosse comprar um determinado brinquedo jamais levaria o meu futuro filho, pois era mico na certa. Daí que minha mãe sempre falou que eu e minha irmã eramos anjinhas quando saiamos junto com ela. Ela tinha uma politica: antes de sair de casa avisava que estava sem dinheiro e que não poderia comprar nada na rua, que era para não ficar pedindo nada. Dito e feito: ela fala que ficavamos bem quietinhas sem pedir nada (na verdade,tudo o que minha mãe relata sobre nossa infância parece ser sobrenatural, sério, fico pensando que não se faz mais crianças como antigamente, éramos 2 anjinhas).


Tá que eu ainda não cheguei na fase do pede pede na rua, do eu quero aos berros e lágrimas de crocodilo, do vou me atirar no chão se você não comprar aquele brinquedo, mas já vou me preparando aos pouquinhos para ensinar que a minha vontade vai prevalecer, e quero que Bryan seja comportadinho e que entenda que ele não pode ter tudo, que tudo depende das nossas condições financeiras, e quero que ele dê valor a isso. Certa vez li uma reportagem dizendo que a jornalista Fátima Bernardes não dava presentes caros para os filhos, e isso era pra ensinar o valor do dinheiro a eles. Em partes eu concordo, claro que se eu tivesse condições compraria muitos brinquedinhos pro Bryan sem nem me importar com o preço, mas a realidade é outra, só o marido trabalha, e entre comprar um brinquedo de 200 e gastar com roupas e calçado eu fico com a segunda opção.
E tenho certeza que o valor ao dinheiro vem de pequeno, quando ele começar a entender as coisas, quando ele já tiver a consciência de que não pode dar um escândalo se eu não puder levar tal coisa, que as coisas não se conseguem fácil (a não ser que ele fosse filho do Eike Batista).

Mas daí vem a questão lá de cima: será que isso é mimo? será que essas crianças que esperneiam nos supermercados e lojas são mimadas demais? será que as mães não deram limites? será que é só uma fase? E me vem a cabeça que talvez eu esteja fazendo demais as vontades do Bryan e não esteja dando o tal de limite. Raramente eu brigo com ele, quando ele faz algo errado eu brigo, falo que não, mas quem disse que ele me respeita? ele ainda sai rindo da minha cara, e não tem como brigar quando ele faz aquela carinha linda de pidão, eu não resisto! Quando Bruno briga com ele, logo ele obedece. Teve uma vez que ele derrubou o modem do PC e Bruno colocou ele no berço como "castigo" (uma versão do cantinho da disciplina da super Nanny) e quem foi lá pegar no primeiro choro?? eu.
Simplismente não consigo ser dura, não consigo vê-lo chorando, não consigo não consolar após uma bronca...

Só sei que em quanto ele não entende o valor de certas coisas, eu mimo muito mesmo, sem medo dele se tornar um "monstrinho", acho que excesso de amor não estraga ninguem, mas ao mesmo tempo tenho certo receio dele se tornar uma criança birrenta que só fica satisfeito quando sua vontade for feita, tem certas coisas da maternidade que nem freud explica, só vivenciando, e espero que essa fase demore bastante a chegar e que eu esteja preparada para lidar com essas situações.

bjos

16 comentários:

Thais Bessa disse...

Olha Jacque, vou discordar de vc. Tudo na vida em excesso eh ruim, ate amor. Crianca precisa tanto de amor quanto de limite, pois ela um dia vai sair de perto da gente e te garanto que o resto do mundo (colegas e professores, depois colegas de trabalho, namorado/a e as pessoas em geral) nao terao a mesma paciencia e eu acho que a crianca vai soferr muito mais tendo o choque de que nem todo mundo as deixa fazer tudo como os pais deixam.

Ainda mais importante que os limites em relacao ao pedir (material) sao os limites das acoes, tipo nao pode mexer nisso, tem que fazer aquilo, tipo respeitar as coisas dos outros, dividir, etc. Os limites sao a base pra ensinar os valores morais.

Sei que eh dificil, a Bebella quando eu dou bronca faz carinhas fofas e ate manda beijo, mas eu nao mudo minha expressao, continuo seria. E eu e o pai fazemos igual, aqui nao tem o bonzinho e o mauzinho, nunca vou falar a frase "espera seu pai chegar", pois nos 2 temos a mesma autoridade. Tambem nunca gritamos ou sequer levantamos a voz, o "nao" eh baixo e firme, com cara seria. E mesmo assim sabemos que tem que insistir muuuuitas vezes, distrair quando insistem e recorrer ao castigo em ultimo caso. nem rpeciso dizer que somos 100% contra bater.

Enfim, cada familia tem seus metodos, mas o que eu quis dizer foi que permissividade demais faz mal, sim. A fase da birra eh normal e toda crianca tem sim, mas o que faz a diferenca entre a crianca birrenta-normal e a birrenta-insuportavel-mico eh como os pais lidam.

Bjos

PS: Me metendo mais um pouco, todos os livros que eu li nao recomendam colocar de castigo no berco, pois o bebe deve associar o berco a um local seguro. Muitas criancas comecam a ter pavor do berco e de dormir, e uma das causas pode ser isso, melhor evitar!

Beca Bricio - Mulher que pariu disse...

Jacque minha queridona, por aqui também rola muito carinho e amor, mas o Senhor Guilherme é mega bagunceiro sabe, aquela carinha linda e fofa, esconde um mulecão danadinho, viu? Mas eu aprendi muito com os erros da minha mãe. Minha irmã nasceu 15 anos depois de mim e ela que era uma anja... pintava e bordava, chegava a ser engraçado de tanta merdinha que ela fazia e a minha mãe nunca puniu pelos vacilos desde pequena. Hoje, eu sou mais dura com ele quando alguma merdinha acontece. Ele fica emburrado, não gosta de ouvir o Não. Então, como observei seu comportamento através do Não, resolvi usar outro método. Não uso o Não! Ao invés de Não Faça isso! eu digo, Gui!!! Vem para cá! ou Olha aqui filho tal coisa... e por ai vai... ele esquece o que ia fazer e não rola estresse.

Mas te entendo... o Bryan é tão lindo que dá vontade de deixá-lo deitar e rolar hahahaa, mas realmente não dá pra aceitar essas cenas péssimas de birras que vemos por ai, vergonha q me dá se algum dia isso acontecer!!!

Enfim...

eu era integrante da TOV tbm, por uns 5 anos e desde que o Gui nasceu eu parei de ir né, e maridão tbm, mas não por causa do Gui e sim pelo trabalho dele que não coincide a folga com o jogo. E esse povo da TOV num vasco x flamengo ficou de sacanagem com ele dizendo que ele só queria ingresso em clássico que não ia mais aos jogos, mas nem sequer perguntaram o pq do sumiço, sendo que eu frequentei os jogos até a 36ªsemana e tal... fiquei muito p da vida com a velharia daquela torcida e resolvi nunca mais ir la pela falta de tato. Trataram-o super mal... sendo que ele tinha comprado ingresso na bilheteria e nem foi para pedir ingresso sabe... enfim...

Mas esse jogo de quarta tbm queríamos ir, mas marido estará na fábrica de madrugada e nem rola de levar o gui, pelo horário e frio. Mas minha prima me chamou para trabalhar num evento lá em são januário e depois pode assistir o jogo. Gui ficará com a minha mãe durante o trabalho que será de 6h, e se tudo tiver tranquilo assisto o jogo... pois ele não está acostumado a ficar sem a mamãe aqui, pois nunca precisei nean!!!!

mas vai dar tudo certo e vascão será campeão!!!!!!

beijosssssssssss

Franciele Galantine disse...

Me deu até medo quando li seu post...kkkkkkkk, minha intenção é não fazer o que meu pai fez comigo, ele me dava tudo que eu queria e eu nunca aprendi o valor das coisas, só depois que conheci meu marido que ele me colocou no eixo, e pretendo não dá tudo que a Florzinha quizer, pretendo ensinar coisas boas e ela vai te que aprender o valor das coisas...beijocas

borboletasdouradas disse...

Haha .. nem me fale Jack .. a Isa tá terrivel ! Ela mal tem um ano e um mes e se joga no chão com gosto qando não fazemos algo qe ela qeira .. ou fica chorando no nosso ouvido tentando nos vencer pelo cansaço (o qe as vezes eu acabo abrindo mao com o coraçao peqeno) diferente do pai qe nao abre mao e qe briga mesmo e faz cara feia, e realmente tem efeito . ela respeita e escuta muito mas a ele do qe a mim ! Como diz minha mae : boba é qem acha qe eles são bobos ! Como sempre achei horrivel crianças desses tipo(alias acho qe todos qe veem uma cena dessa acham feio) as vezes penso em começar a deixar de castigo, dar uns tapas ou mesmo deixar chorando ! Só qe todo mundo fala qe ela é muito nova qe é maldade e tals .. então fico meio confusa se faço ou não , qeqe vcê acha ?
Tem qe se eqilibrado né , já qe o Bruno bate porqe não ter vcê pra passar a mão ! rs Mas realmente acho qe temos qe aprender a dar limites a eles qe é enqanto podemos ensinar , porqe mas tarde é bem mais dificil com esse mundo doido ! Beijocaaa flor ;*

Ké e Lucas em Motherland disse...

Jacque, SUPER concordo com a Thais. amor demais faz mal SIM!
Eu sempre falo que nossos filhos são "emprestados", na verdade, bem no fundinho, eles são do mundo, e não nossos, e assim temos que prepará-los: para encarar o mundo.

Eu acho que vc deve sim falar não pro Bryan, colocar limites, mostrar que vc respeita.
A criança não tem noção até onde pode ir, e para isso servem os pais: para guiá-las nesse mundo cheio de regras.

Sobre colocar no berço para o castigo, denovo concordo com a Thais, tente procurar outro lugar, a criança NUNCA deve passar nem perto de associar o berço com algo ruim.

Vou escrever um post sobre isso!

Dea, a mamae da Nina disse...

ia dar esta dica mas a Thais ja escreveu: bercinho como castigo nao 'e adequado pode deixar trauma e a crianca nao querer mais dormir. Nao se culpe tenho amigas q tb fazem e dou o alerta. Aui temos a poltrina da sala como cantinho do castigo.
Nina nao foi muito mimada e da seus chiliques, nao pq pede brinquedos pq ainda nao tem idade mas por birra mesmo, depois d um ano eles pioram muiito. Nao sabem falar e desta forma acham q conseguem as coisas. Nina ja sabe o q é nao. Impomos limites sempre.
Bjs bjs
Bjs bjs

Bia disse...

eu também tenho esse medo, sabe? Arthur é um doce, mas quando não consegue algo fica furioso e muitas vezes se joga tb... eu não comecei a dar castigo, acho cedo, o que faço é ou mudar o foco, ou dar carinho ou ignorar, depende da situação e da importância. mas eu confesso que tenho tido algumas dificuldades, vou observar os comentários!
Quanto aos brinquedos, eu já não tenho comprado muita coisa, percebo que ele se contenta muito mais com coisas simples como um passeio ou uma brincadeira.

beijos

Nave Mamãe disse...

Fácil educar filhos na teoria né amiga?! Também achava...
Agora me faço essas mesmas perguntas! Saberei eu dar limites? Conseguirei dizer não, mesmo quando puder comprar?
Na teoria, eu penso como a Fátima! Quero muito fazer isso, mas a grande questão é: saberei?
Beijos

Débora Beyer disse...

Ai, isso é tão complicado!

Eu te entendo, é super difícil colocar limites. Eu tento, o Vicente ri da minha cara mas eu faço como a Thais, não mudo minha fisionomia. Além de dizer não, olhando na altura dele eu explico por que não pode.
Ainda não coloquei no cantinho da disciplina, mas pretendo usar essa técnica aqui em casa.

Eu também tinha horror de crianças sem limites, mal educadas. Espero que eu consiga educar o Vicente de uma maneira que não permita que ele fique assim.

Agora, sobre a festa. Meniiina, eu ja fui fazer o bolo morrendo de medo da tal pasta americana depois que eu li vc contando. E é difícil mesmo, imagino vc com um bolo de três andares! Meeedo!

E tamo junto meeesmo em 2013 organizando outra festa de um ano! Faltam uns quatro meses pra começar os treinos, não vejo a hora!

Beijo

Kira! disse...

Incrível, não tem quem não julgue! É hipocrita falar que ai, entende a mãe, que nossa. Mas não, todo mundo pensa "nossa, que mãe de merda, onde já se viu" normal.
Eu pensava que nem você " Queeeeeee?Se fosse meu filho, ahhhh se fosse meu" e agora, vez ou outra Beatriz da o show dela, ainda não é um "quero quero" frenético, mas faz a gente passar uma vergonha BÁSICA.

Super apoio a atitude da sua mãe! E acho que não é só a questão de NÃO TER DINHEIRO, é a questão de não mal acostumar a criança, mesmo se você tem o dinheiro, existe hora e lugar e a forma da criança adquirir aquilo!

Não da para saber como funciona na familia dos outros né? Mas ja conheci pais que davam de tudo para o filho, desde pequenininhos, tinham uma boa condição financeira, e dava tudo mesmo. Dai um dia as coisas não foram mais assim e quando isso aconteceu as crianças não se acostumaram, não entendiam o porque daquilo, afinal sempre tiveram o que queriam!


É complicado né?


Beijos para vocês!
@maedemerda
http://parabeatriz.blogspot.com

Nath disse...

Mana vc ainda se lembra dessas coisas? E de fazer xixi em casa pq banheiro da rua é sujo??

Quanto a esses escândalos, pra mim o melhor a se fazer é ignorar, pq se vc dá 'bola' a criança cresce. E não pense que Bryan é 'inocente', pq ele já sabe como manipular vc. Ou pq vc acha que ele obedece o Bruno e qd ele o põe de castigo ele começa a chorar e vc vai lá e tira? Ele sabe que o choro te 'irrita' de alguma forma e a leva a fazer o que ele quer: sair do castigo. Sem contar que ele sabe que fazendo carinhas e bocas vc fica toda derretida. Ou seja, ele é bem espertinho e sabe como conseguir o que quer. E tb deve haver consistência e harmonia entre vc e Bruno qt a educação do Bryan. Se ele coloca o Bryan de castigo e vc vai lá e tira, vc o está desautorizando diante de seu filho. Enquanto ele é novinho ele tem a sensação de que conseguiu o que queria, mas qd tiver maior e o entendimento mais claro, os problemas serão outros.
Ó mana não ache que tô me metendo. Mas né achei mó barato lembrar de como éramos qd criança.

E tenho pra mim que não se fazem mais crianças como antigamente pq dá trabalho e a maioria dos pais não estão dispostos a disciplinar os filhos. Pois o que é mais fácil? Dizer não ao seu filho e o ver abrindo o berreiro, mas prevalecendo a sua vontade, ou dizer sim pra evitar escândalos e micos na rua (ou aborrecimento em casa), fazendo com que seu filho aprenda que a vontade dele é a que basta e que pra ser ouvido basta espernear? Imagina na adolescência como seria?

É só para reflexão mesmo, pq mesmo planejando guri pra daqui uns 5 anos :D eu e Valdinei já conversamos bastante sobre como criá-los. Vou parar por aqui senão vai virar um artigo.

Muitas saudades mana. Bjs pra ti e Bryan.

Renata disse...

Ai amiga... é complicado mesmo...
Eu sou professora, tb já vivi muitas situações em que ficava imaginando se fosse o me filho, o que faria... E pra piorar, eu fui uma criança birrenta, que se jogava no chão do mercado, pensa!!!
Já falo não, o pai é mais duro mesmo (tb é militar!), mas tenho medo de tb não saber como agir, mais lá pra frente... estamos juntas nessa!!!
beijinhosssss

(Mamãe) ~Pinel disse...

Acho que essa é uma dúvida muito comum à todas as mães.
Mas acho que temos de ser firmes e eu faço questão de sempre explicar o porque das coisas. Acho que está na hora de começar a fazer isso com o Bryan. É uma maneira dele entender o porque é errado coisa ou outra!!!!


Boa sorte!
Beijo!

Roteiro Baby disse...

Vc se saiu muito bem sim. Pelo menos agiu como eu agiria. E calma... Eu tb sempre penso em não ter o segundo filho logo em situações assim.

Patrícia disse...

Sabe que em casa não é diferente... O Raul não me obedece de jeito nenhum, eu sempre acabo rindo tb e ele se aproveita... Já o pai ele obedece.
Engraçado é que todos os meus sobrinhos e crianças no geral sempre me obedeceram (tinham medo), mas com o meu filho tudo mudou.
Oh céus, será que ele vai virar um destruidor/mal criado?? medo...kkk
Bjocas.

Nathalia disse...

Jacque. Não sou mãe mas sou cunhada de uma criança extremamente mimada. Ele é o mais novo de dois irmãos com 20 e 23 anos. A mãe dele tira a autoridade do pai sempre. Ele não respeita ela, não é mais carinhoso, e só sabe pisar e mandar. Ele sempre faz tudo com o maior prazer, e se recusa a dizer não. Ele agora desenvolveu a mania de humilhar qualquer outra criança (mesmo que seja maior) e se meu namorado pede pra ele parar, a mãe dele briga, dizendo que não é para brigar com ele, coisa e tal. Ele está cada dia pior e já até me bateu. Meu namorado perdeu totalmente a vontade de ficar perto dele. Enfim, criou um monstrinho que não tem compaixão nem pela própria mãe, aos 8 anos. Obviamente existem crianças e crianças, mães e mães. E "mimações" diferentes. Mas depois que conheci essa criança, determinei que JAMAIS mimarei meu filho. Darei todo o amor do mundo, mas o maior amor que eu poderei dar, é ensinar a ele respeitar as pessoas, antes de ensinar ele a ter vontades desnecessárias ou até mesmo pensar que manda em tudo e em todos. Afinal, já li muitos artigos sobre crianças mimadas e arrogantes, e senti medo. Mas o Brayan é mto novinho ainda, é um caso diferente, e criança faz birra mesmo. Só não pode deixar passar do limite. ;)

Contando...

 

Blog Template by BloggerCandy.com