16 de setembro de 2011

A eterna culpa

Desde que me tornei mãe, um sentimento me acompanha sempre: a culpa.
A eterna culpa. Culpa porque não consegui amamentar, culpa porque não tive meu parto normal, culpa porque minha barriga não voltou ao "normal", culpa por não ter feito uma mega festa de 1 ano, culpa quando o Bryan cai ou se machuca, culpa,culpa,culpa.

A culpa é mais um item do "pacote da maternidade" e sou obrigada a conviver com ela pro resto da vida.
Eu nunca lidei bem com pessoas se machucando.Sou daquelas que ao ver um acidente só falta chorar pela pessoa que está ali e eu nem conheço, agora imagina a minha reação quando o MEU filho se machuca?
A primeira queda foi um choque.Eu me culpei por meses, e até hoje relembro aquele dia em que peguei o Bryan chorando no chão, sem saber direito como ele caiu da minha cama que tem mais que 60cm, sem se machucar seriamente.
Me senti a pior mãe do universo, como pude deixá-lo sem a minha supervisão na cama, sabendo que ele já estava na fase de sentar e engatinhar?
Depois da queda foi o choque que ele tomou quando colocou o dedo na tomada.Na hora que vi o Bryan tremendo, poderia jurar que meu coração paralisou por alguns segundos.Me culpei pela tomada que liga a geladeira estar em uma parte acessível, e mais uma vez, ele estar longe da minha supervisão. A vez que ele prendeu os dedinhos no vão da porta foi a que mais me desesperei, não sabia se gritava,chorava ou tentava tirar os dois dedinhos de lá.Ele chorava e me olhava com o rosto todo vermelho e assustado com meus gritos chamando pelo pai.Tentei me manter calma (o que é impossível em situações como esta) e tirei os dedinhos, que a essa altura do campeonato estavam bem vermelhos e com a pele saindo.Minha cabeça rodava pensando o que eu faria se o estrago tivesse sido pior.

Quando Bryan teve sua primeira febre eu chorei horrores, nem lembro o porque da febre, só sei que ao ver o termometro apitar 38,5°C eu senti meu coração gelar, junto a um sentimento de impotência, de não poder fazer nada para aquilo passar na hora.Quando ele passou a madrugada internado por conta de uma infecção estomacal, eu me culpei pelo que ele tivesse comido, e mais uma vez me vi de mãos atadas com o péssimo sentimento de não poder fazer nada.

Depois veio a fase de andar.E cada vez que ele cai eu me sinto inútil por não conseguir evitar. Uma vez estavámos no quintal e ele caiu e ralou a perna.Eu fui correndo ao encontro dele, novamente sentindo minha pulsação diminuir a cada segundo que ele estava no chão chorando.Toda preocupada perguntava se estava doendo, como se ele soubesse o que eu estava falando.Limpei o machucado e constatei que era apenas um arranhão, e que não tinha sido grave,alguns segundos depois lá estava ele brincando de correr novamente.
Um dia ouvi a filha da vizinha cair e chorar muito, a mãe toda estressada começa a xingar meia dúzia de palavrões e proferir maldições contra a própria filha: Tá vendo só, falei pra não correr, isso que dá não me ouvir, da próxima vez você quebra a perna teimosa, quem manda não ouvir a sua mãe, você não deve correr sua tapada, burra.E a seguir eu ouço choros da menina e os apelos de : para mãe,enquanto a vizinha devia estar batendo nela.

E eu não consigo entender como uma mãe tem coragem de bater no filho após ele se machucar ou ter feito alguma arte. Eu acho que nunca vou sentir raiva pelo Bryan ter me desobedecido, coisa que ele já faz e muito atualmente.Eu me sinto tão culpada quando ele se machuca, sinto meu coração na boca, e acho que esse sentimento nunca vai passar.Tem horas que eu queria ser mais firme, dá a bronca por ele ter caído porque estava correndo,mas o meu lado protetor não deixa.Qualquer queda que ele dá eu já fico toda sensibilizada e perguntando se machucou, e no minuto seguinte já estou enchendo a bochecha dele de beijinhos.
Talvez (certeza) eu seja muito manteiga amolecida. Não consigo me livrar da culpa e já me vejo com 50 anos, ligando para meu filho adoentado e chorando muito por não poder fazer nada.

Eu percebi que pode ter a idade que tiver, eu sempre vou pensar no Bryan como meu bebê, que Deus enviou para que eu o protegesse, ou pelo menos tentasse.E cada vez que eu não conseguir evitar uma queda, ou algum machucado,sempre me sentirei culpada.Preciso agora aprender a conviver com essa culpa.

bjos

20 comentários:

Renata disse...

Nossa, culpa vira a palavra de ordem depois da maternidade mesmo! mas nessa questão dos machucados eu sou diferente de você (acho que sempre fui) eu não me preocupo até perceber que é grave. Quando minha filha cai, eu levo na esportiva (e daí ela geralmente nem chora) e espero ela se levantar sozinha, só se eu perceber que machucou que eu vou socorrer. Pelo menos até hoje nunca aconteceu nada grave, graças a Deus!
Beijos!

mandy chaves disse...

nossa a culpa... essa tbm é minha companheira constante...isso piora pq parece q qto mais velho eles ficam mais eles se machucam,ontem mesmo, fui buscar o dudu na creche e ele veio passando a mao no muro das casas e eu falei varias vezes pra ele parar mais ele nao me ouviu, qdo ele chegou em casa tava com 2 dedinhos sangrando, e começou a arder e ele chorar a primeira coisa q eu disse foi: ta vendo? a mamae nao disse q era pra tirar a mao da parede? agora vc aprente q nao pode...ele concordou eu limpei o machucado e coloquei um curativo, eu nao briguei, apenas expliquei q ele tem q ouvir a mamae e q nao deve mais esfregar a mao no muro, aprendeu a liçao da pior forma mais se eu pegasse ele pelo braço e nao deixasse ele passar a mao no muro ele ia fazer a maior briga na rua e nao ia entender q machuca..fiquei feliz por ele ter aprendido, mais culpada por deixar q acontecesse...

bjoss

Ana Campos disse...

A malvada culpa que nos rodeia sempre...tb tenho horror a tombos e machucados e por conta disso carrego comigo o rótulo de ser a culpada de Sofia ainda não andar sozinha...ainda hoje escrevi sobre isso...
Será que um dia a "culpa" deixa de ser da mãe?...rs

bjs

Mon Maternité disse...

Ai Jacque ... eu já escrevi sobre isso no blog algumas vezes!! Como você disse, a culpa está incluída na função mãe, só que ninguém nunca nos falou sobre isso!

Parece que a cada ia que passa, ser mãe implica em termos mais tarefas ... antes, na época das nossas avós, elas eram mães e esposas; nossas mães já podiam ser profissionais, mães e esposas ... a gente tem que escolher se seremos profissionais OU esposas OU mães!!

Não se culpe, nem se deixe ser culpada. Ainda estamos "aprendendo" essa maravilhosa benção de Deus!

Sobre os acidentes ... infelizmente eles acontecem! Também já comecei a aprender isso!

Beijos querida!! Má
www.monmaternite.blogspot.com

Dani disse...

Entendo seu desespero Jack, acho que a culpa é bem maior quando o bebê se machuca por falta de supervisão nossa (tipo deixar na cama e sair por 1 minuto pra fazer qualquer coisa) do que por alguma arte que a gente já pediu que não fizesse, né? :|


Eu não sei como vou lidar com isso, também sou MEGA protetora, eu vejo crianças pequenas correndo e já fico meio desesperada por saber que eles não dominam as próprias pernas ainda. Mas acho que a gente tem que achar um meio termo e encontrar um equilíbrio entre a situação, pois se a gente protege de tudo as crianças acabam não desenvolvendo o senso do certo ou errado, e você sabe, nós seres humanos, só aprendemos depois que quebramos a cara. :P

Oba, já é sexta feira! Bom final de semana pra vocês! Dá um cheiro no Bryan! :*

sou mãe, e agora??? disse...

Culpa é um sentimento constante depois que nos tornamos mãe mesmo neh... tbm não lido bem com algumas situações, quando Ryan Caio teve pneumonia chorei tanto e me senti uma mãe de merda... Jacque dá uma passadinha lá no meu blog, a última postagem fala sobre a luta de um menino muito lindo o Pedrinho, a família dele tbm é daqui do Rio, quem sabe divulgando não ajudamos esse anjinho! bom fim de semana, bjks!!!

Di disse...

Aqui em casa eu sou uma manteiga derretida, mas o taz e mais firmão e da um jeito de segurar minha onda. Ele sempre faz eu parar uns segundos antes de correr desesperada pra ver se a Rebeca esta bem, pra dar tempo dela, a bebe, reagir ao que aconteceu. E, na maioria das vezes, não e nada, mas ela me ve e faz um muxoxo.
Agora aprendeu a esperar um beijinho pra sarar. coisa fofa!
Ela cai, me ve e faz um muxoxo, da uma choradinha. Eu chego perto e pergunto "onde machucou filha? fala onde e o dodoi que a mamãe da um beijinho e sara". Ai lavai ela com o dedinho e falando "dodoi eio (joelho)" e eu dou um beijinho, ela ri e pronto acabou tudo! rs
E eu fico mais feliz por que com isso eu posso finalmente fazer algo pra passar o dodoi... entende?

bjs
Di

Dayane disse...

Acho um absurdo tão grande as mães que brigam (e até batem!) nos filhos porque se machucaram. Que falta de coração, o filho ta lá machucado e a mãe dá ainda mais dor... =(
Os machucados fazem parte de uma infância alegre, de brincadeiras, é impossível evitá-los, assim como é impossível uma criança não correr. O entusiasmo e a alegria que eles expressam correndo é muito maior do que qualquer advertência e eles não vão mesmo parar pra pensar que podem se machucar se correrem.
Quando o Bryan se machuca, você ta ali com ele, cuidando e dando muito amor, isso é o melhor podemos fazer, muito melhor que enrolar o filho em plástico-bolha.
Beijos

- Anine Pinheiro - disse...

ai jacque, eu não me sinto tão culpada assim nessas situações. O que me machuca mesmo é sair pra trabalhar e deixá-lo com minha mãe. Pior qdo ela não pode e preciso deixar com minha sogra (como hoje). Dá uma sensação q meu filho fica a Deus dará! Acho q só essa culpa já me consome por inteira.

Beijos e não se sinta tão culpada. Há coisas q estão além do nosso alcance.

Beijos

Mamãe juliana disse...

aiaiai Jacke adoro sesu post ....
Mas assim confesso que tenho inveja do Bryan pela mamãe q ele tem srsrsr
Eu naum me sinto culpada por essas coisas sabia ...me culpo sim quando ela fica doente por algum descuido meu , ou quando se machuca por um descuido meu .... mas por se machucar , cair , ou quando chora , nanaum ... encaro como desenvolvimento mesmo ... pois so aprendemos fazendo neh ...
Mas sou estressadnha sim com minha filha até pq eh um pocinho de teimosia rsrs ... Mas mesmo assim a amo neh rsrs
Enfim tmb penso q minha bb nunca vai deixar de ser bb aos meus olhos .. e eh assim a vida uma aventura constante q fica muito mais deliciosa na compania dos nossos tesouros ...bjus
e Bryan cada dia mais lindoooo....

Grauce disse...

O pior é que esse lance de culpa é verdade. Tudo que acontece de ruim: culpa minha!

Beijo

Mamãe Cláudia disse...

Nem me fale em culpa... estiou em estado de culpa suprema.... Essa semana o Biel queimou a mãozinha na porta do forno e foi aquele auê...
Ainda me sinto muito culpada com essa situação que sequer tive coragem de publicar no blog....
Quando será que isso vai melhoirar.... risos...
bjssssss

Dea, a mamae da Nina disse...

gente nao sabia dessa: tem mae q bate no filho pq se machucou caiu ou algo assim? Essa eu passo. PQP!!!
Culpa todas as maes tem, conforme-se amiga, mas vc tem q pensar q criança cai, criança adoece e nao so vc como um monte nao amamentou, nao teve parto normal.
Amenize esta culpa e pense q vc ta ai do ladinho dele e imagine q diferente de nos 2 nao me imagino trabalhando o dia todo longe da Nina. e ela numa escola 8 ou 10hrs por dia ou criada por baba.
Vc é uma mae presente e participante, isso te consola??
Uma coisa minha mae sempre falou q p mae o filho sempre sera bebe, afinal a diferença d idade sera sempre a mesma.
Bjks mil

Dea, a mamae da Nina disse...

ah quase esqueço, eu diferente de vc nao sinto culpa por ela cair, adoecer, nada disso. Fico chateada pq momentos importantes as vezes apago da memoria sei la pq.
Bjs

francieleGalantine disse...

Obaa consegui seu blog novamente amiga, então eu nem gosto de pensar nessas situações pq acho que vou enlouquecer quando o João se machucar, acho que isso faz parte da infância e sei que tbm vou me culpar por tudo de ruim que acontecer com ele..beijocas linda minha e do João

Ivna Pinna disse...

aiii Jacque, bater na criança epois que ela cai é maldade pura! Afffee!
Qndo o Enry cai eu só falto morrer!
Na primeira queda dele, eu chorava mais que ele! hehehe
E eu tbm tinha uma vizinha cruela, cada vez q o filho dela fazia uma arte ela grita: fulaninho, eu vou dá na tua cara.
A vontade que eu tinha, era ir lá e dá na cara dela.. fico passada com essas coisas.. nan! que raiva!

beijos

Laragui disse...

Ai amiga, é verdade!! Eu me culpo!
Fico com o coraçao na mão sempre!!
E me culpo em antecip[acao e na maioria das vezes sem necessidade quando deixo ela com os outros! Sempre pensdo: e se acontece alguma coisa e eu nao estou do lado dela?? #aloka, mas sim, me culpo demais tbem!

Mas faz parte n'e, acho que temos que aprender a relaxar um pouco ou ao menos a conviver com esse sentimanto ne?? kkkk

beijos

Addry disse...

Ótimo post! A minha neném nem nasceu ainda e eu já fico apreensiva e com medo de não fazer as coisas direito e ela acabar se machcando por minha causa. E como vc sou completamente manteiga derretida! bjs

Patricia Charleaux disse...

Amiga acho que nós amamos demais nossos pimpolhos, é um amor tão grandioso que queríamos muitas vezes cair no lugar deles, ter febre no lugar deles, adoecer por eles...Mas tem mães, como sua vizinha, que parecem nem se importar com seus filhos, vejo muitas assim ,lembre que sou professora e amiga falo, graças a Deus somos mãezonas corujas assim, tenho certeza de que nossos pequenos crescerão bem amaprados e amados, isso não é comum hoje em dia e deveria ser sim.Culpa eu também sinto como vc, todas as doencinhas são um sofrimento pra mim, fico pensando ah se eu tivesse feito assim ou assado ele não teria adoecido...Como ele nasceu prematuro sem explicação alguma, imagina que até hoje me pergunto aonde foi que falhei? Será que foi culpa minha?Mas como falei é que nós nos preocupamos de verdade com eles e pra mim o João é a coisa mais importante do mundo, o maior tesouro que possuo!!Bjs

Patricia Charleaux disse...

Amiga acho que nós amamos demais nossos pimpolhos, é um amor tão grandioso que queríamos muitas vezes cair no lugar deles, ter febre no lugar deles, adoecer por eles...Mas tem mães, como sua vizinha, que parecem nem se importar com seus filhos, vejo muitas assim ,lembre que sou professora e amiga falo, graças a Deus somos mãezonas corujas assim, tenho certeza de que nossos pequenos crescerão bem amaprados e amados, isso não é comum hoje em dia e deveria ser sim.Culpa eu também sinto como vc, todas as doencinhas são um sofrimento pra mim, fico pensando ah se eu tivesse feito assim ou assado ele não teria adoecido...Como ele nasceu prematuro sem explicação alguma, imagina que até hoje me pergunto aonde foi que falhei? Será que foi culpa minha?Mas como falei é que nós nos preocupamos de verdade com eles e pra mim o João é a coisa mais importante do mundo, o maior tesouro que possuo!!Bjs

Contando...

 

Blog Template by BloggerCandy.com